top of page
  • Foto do escritorLABE

Professores e cientistas formam banda dividindo o amor pela carreira com a música

Apresentação da banda Professors: docentes e cientistas do Instituto de Biologia da Unicamp fazem sucesso tocando o melhor do rock’nroll


Durante o dia a dia, a rotina comum os coloca dentro da sala de aula e nos laboratórios da universidade. Nas horas livres, eles se reúnem para tirar um som dos instrumentos e ensaiar na banda Professors (ou Professores, em tradução livre). O grupo é formado por educadores do Instituto de Biologia da Unicamp e da USP que amam a vida como professores e cientistas, mas também adoram a música e tentam unir os dois lados. Em celebração ao Dia dos Professores, neste 15 de outubro, eles compartilharam um pouco da história de como a vida acadêmica os levou até a arte.


Henrique Marques Souza, professor de Biologia e vocalista do The Professors, lembra que foi durante a confraternização do seu aniversário, em 2017, que começou a brotar a ideia de uma banda. "Eu tinha alugado uma chácara por quatro dias e também aluguei todos os instrumentos musicais de uma banda para fazer um som com os meus amigos que tocassem. Nesta festa, na brincadeira, descobrimos que em nosso ciclo de amizade tínhamos um guitarrista (Marco Vinolo), um baterista (Daniel Martins de Souza) e um baixista (Marcelo Mori). Eu tocava um pouco de guitarra e tinha uma. Fizemos uns sons na chácara e percebemos que seria divertido marcarmos uns ensaios", lembra. De lá para cá, também entraram para o grupo Murilo Geraldo, professor de Biologia Celular e tecladista, e Jean Pierre Peron, professor de Imunologia da USP e guitarrista.

O repertório varia, mas sempre dentro do rock, gênero favorito dos professores. O espectro é amplo, do heavy metal ao pop rock, eles interpretam canções de bandas como Metallica, Ramones, Rage Against The Machine, Raimundos e Charlie Brown Jr. Os alunos, explica Daniel, acham curioso, mas também se divertem ao verem esse lado daqueles que mais frequentemente estão à frente da sala de aula. "Uma vez tocamos no Teatro de Arena na Unicamp e meus alunos foram assistir e acharam super legal. Elogiaram, dizendo que a gente tocava bem", lembra Henrique. Para Marcelo, essa aproximação é muito importante: "O cientista, o professor, é um ser humano igual a todo mundo, com hobbies e paixões. A gente não está num pedestal e é preciso aproximar professor e universidade das pessoas. O cientista tem que estar mais próximo do leigo e conversar não só sobre ciência, mas sobre tudo", completa. Segundo o baixista, que também é professor de Biologia Molecular e pesquisador da área do envelhecimento humano, a proximidade faz com que mais pessoas entendam que podem fazer parte desse universo e ao mesmo tempo serem cientistas.


Orgulho de ser professor e cientista


Alguns deles, como Daniel e Marcelo, já haviam participado de bandas na juventude, mas o momento de prestar o vestibular e seguir com os estudos universitários afastou-os da produção musical. "Já passou pela minha cabeça ser músico quando eu era mais jovem, mas hoje não me vejo deixando a minha profissão. Inclusive, enquanto eu cursava a graduação em biologia eu fazia parte de uma banda, mas já sonhava com a carreira acadêmica e de educador", afirma Daniel. Não é diferente para Henrique, que apesar de sonhar em manter a "garage band" (a banda de garagem) com os amigos, se sente muito realizado. "Tenho uma lista enorme de alunos que se formaram sob a minha orientação, e me orgulha vê-los ocupando posições importantes em instituições de ensino e pesquisa, no Brasil e no exterior", exalta. Marcelo se une aos amigos no amor pela carreira de cientista e professor, mas a música é uma paixão que não abre mão. "Música e ciência são as duas coisas que eu mais gosto de fazer. São grande parte da minha vida, pois quando não estou tocando, eu trabalho escutando música. Gostaria de conseguir conciliar mais os dois lados e fazer música para além do hobby, como atividade profissional complementar", compartilha.


A banda Professors gravou um clipe cover da música"Killinf in te mame", do Rage Against The Machine durante a pandemia, e pode ser acompanhada pelo Instagram.


Reportagem original: https://correio.rac.com.br/entretenimento/professores-e-cientistas-formam-banda-dividindo-o-amor-pela-carreira-com-a-musica-1.1300503

18 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page